sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Florear!


A PRIMAVERA
(Olavo Bilac)
Coro das quatro estações:
Cantemos! Fora a tristeza !
Saudemos a luz do dia:
Saudemos a Natureza !
Já nos voltou a alegria !



A Primavera:
Eu sou a Primavera !
Está limpa a atmosfera,
E o sol brilha sem véu !
Todos os passarinhos
Já saem dos seus ninhos,


Voando pelo céu.
Há risos na cascata,
Nos lagos e na mata,
Na serra e no vergel:
Andam os beija-flores
Pousando sobre as flores,
Sugando-lhes o mel.



Dou vida aos verdes ramos,
Dou voz aos gaturamos
E paz aos corações;
Cubro as paredes de hera;
Eu sou a Primavera,
A flor das estações !


Coro das quatro estações:
Cantemos! Fora a tristeza !
Saudemos a luz do dia:
Saudemos a Natureza !
Já nos voltou a alegria !

3 comentários:

  1. Olavo Bilac... gente... me fez voltar aos bancos do ginásio! Minha professora de português era a fã incondicional dele e quase todos os textos que nos dava para interpretar eram dele... Que venha a alegria, estou de coração aberto à ela! Bjks Tetê

    ResponderExcluir
  2. Oi Rosélia,
    Essa poesia infantil de Olavo Bilac,
    é muito alegre e bonita.
    Bela escolha!
    Ótimo fim de semana. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Querida Rosélia, tem que haver alegria com tão boa companhia, a dos seus lindos netinhos.
    O poema de Bilac ficou mais belo com as suas fotos.
    Por aqui chegou o Outono que Olavo Bilac também poetizou:

    Em uma Tarde de Outono
    Outono. Em frente ao mar. Escancaro as janelas
    Sobre o jardim calado, e as águas miro, absorto.
    Outono... Rodopiando, as folhas amarelas
    Rolam, caem. Viuvez, velhice, desconforto...

    Por que, belo navio, ao clarão das estrelas,
    Visitaste este mar inabitado e morto,
    Se logo, ao vir do vento, abriste ao vento as velas,
    Se logo, ao vir da luz, abandonaste o porto?

    A água cantou. Rodeava, aos beijos, os teus flancos
    A espuma, desmanchada em riso e flocos brancos...
    Mas chegaste com a noite, e fugiste com o sol!

    E eu olho o céu deserto, e vejo o oceano triste,
    E contemplo o lugar por onde te sumiste,
    Banhado no clarão nascente do arrebol...

    Um beijinho com carinho

    ResponderExcluir